Brasil….mostra sua cara

Não bastasse a tragédia de Santa Maria, tivemos de testemunhar outra, de outra natureza: a eleição dos presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados. Carta marcada. A foto da capa do Estadão do dia 2 de fevereiro, foi de embrulhar o estomago.

Óbvio que daqui uns dias, meses quem sabe, para atender o clamor do povo o vice o substituirá.

As artimanhas do poder são inúmeras. Só para ilustrar, que tal ler Ricardo III, de Shakespeare. Mas, acredite se quiser.

Poderia ser pior. Aliás, já foi pior. Quem viveu, de fato, os anos 60 e 70 que diga. Tudo isso acontecia. Poucos sabiam. As mídias, que como já disse, podem servir para o bem ou para o mal, hoje mostram sua cara, fazem sua opção política. Claro, que esta depende de outro tipo de interesse. Antes, tínhamos os versos de Camões e as receitas culinárias.

O que resta das minhas utopias referentes à construção de um país mais justo, fica depositada nos jovens que hoje têm menos de 15 anos. O estrago causado nestes 50 anos – salvo exceções – terá um preço a ser pago.

Pensamentos insolentes

O carnaval está ai. Entretanto, nenhuma fantasia por mais cara e sofisticada que seja terá o brilho daquelas usadas por quem as colou ao corpo e acredita no papel que desempenha.

Assistir ao Lincoln ou a Argo e…elogiar…aí já é demais, não me refiro aos aspectos técnicos. Nem de longe…mas a visão de mundo é de queimar as costelas. E amor, então. Se você estiver deprimido, ao sair do cinema, se mata. Se estiver bem, toma um porre. A realidade dos europeus é muito diferente da nossa, em especial com relação à idade avançada.

Que pese o brilho das comédias… nunca os comediantes ganharam tanto… Que tal usar o humor para desenvolver o espírito crítico? Rir das nossas desgraças cotidianas e sair do teatro, depois de um delírio catártico com a facilidade que se sai de uma sessão de terapia é dose…Não falta inspiração. Millor e Henfil que levantem do túmulo. Vamos mais longe, Moliere, Machado de Assis, Monteiro Lobato, Agostini, etc… ah! Chaplin… “O Grande Ditador” e “Tempos Modernos” . W. Allen também.

Abraço fraterno

Livros

Cinema brasileiro -Propostas para uma história, JC Bernadet
Nações e nacionalismo desde 1780, de e Hobsbawn
Temor e tremor, de S. Kierkegaard
Dialética do indivíduo, de A. Carnevacci

Filmes

Anna Karerina, O amante da rainha. La chispa de La vida

Mestre e doutora em Psicologia Social, especialista em Liderança Universitária e Gestão de Pessoas